Com dívida de R$ 700 milhões, Hopi Hari fecha as portas

Presidente do parque anunciou que pausa é temporária

16/05/2017 Bruno Mancini

Atualizado em: 9 de Abril de 2018

Com dificuldades financeiras e com dívida ultrapassando os R$ 700 milhões, o parque Hopi Hari, em Vinhedo, anunciou seu fechamento na última sexta-feira (12). Segundo o empreendimento, no entanto, a pausa é temporária – não foi indicado o prazo para reabertura.

Em nota oficial, o Hopi Hari atribuiu o fechamento das atividades por conta da cobertura realizada pela imprensa, que tem noticiado rotineiramente a grave crise financeira da companhia – o caso é tão grave que a luz chegou a ser cortada e o parque funcionava por meio de geradores de energia.

Em crise, o parque já tinha limitado os horários de funcionamento, abrindo apenas às sextas, sábados e domingos. Desde fevereiro, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores de Parques de Diversão (Sindiversão), os trabalhadores estão sem receber os salários e muitos nem possuem registro.

Veja a nota do parque na íntegra:

NOTA OFICIAL

Nesta última semana, o HOPI HARI foi alvo de uma onda de ataques raivosos e desproporcionais, pressagiando o fim do parque – o que, se depender de nós, não irá acontecer.

O HOPI HARI segue vivo. Mas em função de infames reportagens, estamos considerando fazer uma pausa no atendimento ao público, tomar fôlego e voltar com toda força.

O que há por trás desses ataques e dessa insistência cruel em denegrir a imagem de um parque que luta para voltar a ser um palco de alegria e diversão?

O fechamento do parque não interessa ao público, nem a funcionários, bancos, credores e nem mesmo à região, que perde um grande atrativo turístico. A falência só pode interessar a alguns bárbaros que pretendem se apossar da área vá saber com que fins.

A situação do HOPI HARI é bem conhecida por todos: dívidas, pouco público, atrações paradas, plano de recuperação judicial em aprovação e uma longa fila de problemas herdados de administrações anteriores.

Ainda assim, acreditamos que é possível recuperar o brilho desse maravilhoso lugar, investimos nele e iniciamos uma nova gestão no dia 5 de abril passado, com a saída do presidente anterior, Luciano Corrêa.

Fizemos esforços hercúleos para manter o parque aberto e funcionando, sempre com o apoio incondicional de todos os funcionários, e com todas as garantias para os visitantes. Nossas atrações são seguras e estão com sua manutenção em dia. E sempre divulgamos em nosso site e na entrada do parque quais atrações estão funcionando.

Aquelas reportagens afetaram fortemente as negociações com investidores. É necessária muita coragem para investir numa empresa que a mídia está “enterrando” viva, e cujo plano de recuperação judicial ainda está para ser aprovado. Mas continuamos acreditando e seguiremos buscando soluções.

O HOPI HARI segue vivo. Estamos apenas fazendo uma breve pausa para respirar e voltar à luta ainda com mais força. Nosso sonho continua. Temos saudades das filas gigantescas, das crianças correndo, dos romances iniciados em Mistieri, e dos tênis molhados no Spleshi. Queremos que o HOPI HARI volte a ser sinônimo de alegria!

José Luiz Abdalla

Presidente

Giranda Mundi - Hopi Hari

Compartilhe:


Deixe seu comentário

Uma resposta para “Com dívida de R$ 700 milhões, Hopi Hari fecha as portas”

  1. Elaine disse:

    Não podemos deixar fechar o único parque de diversões que ainda existe…. Vamos nos unir e fazer a diferença, que tal o Hopi Hari fazer alguma promoção para incentivar a visitação, ou, estacionamento grátis?!
    Espero q voltem com força total 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *